Feira Livro

Festival Imaginária_, organizado pela Lovely House Editora, convocou editoras, autores e coletivos a participarem da primeira edição da sua feira totalmente dedicada a publicações de fotografia, a Feira Livro.

_por.onde.o.homem.anda

Um dia o escritor Georges Perec me falou: Faça listas. Catalogue o ordinário que está a sua volta. Dê razão existencial ao cotidiano que constitui a vidas. Anote o que não se percebe, o que não têm sentido perceber. Colecione.
Assumo a postura do Colecionador. Catalogo o mundo das coisas cotidianas, ordinárias. Preciosas banalidades sem menor qualidade. Coisas que passam despercebidas pelos olhos que vêm ver o mundo. Por isso faço listas e coleciono coisas que encontro enquanto caminho na Cidade.

Alfabeto da Noite – A de Alma; G de Gente; Z de Zonzo

GE Noturnos

O GE Noturnos é um coletivo que explora, investiga e experimenta a relação da Cidade contemporânea com a noite, entre 00h00 e 05h00 da madrugada. São caminhadas e pequenas expedições sem roteiro ou percurso pré-definidos, sempre à deriva e disponíveis para todas e quaisquer interferências ou atravessamentos impelidos pela noite. Dessas experiências urbanas noturnas, nasce a proposta de formar uma espécie de abecedário da noite. O resultado dessas caminhadas são estes pequenos livretos, transformados em um alfabeto visual e narrativo da noite na cidade.

Dimensões: 145 x 205mm
Páginas: 36
Edição:
Ano: 2018
Tiragem: 10
Idioma: português
Tipo de encadernação: Canoa com costura manual
Local de produção: São Paulo, Brasil
Editora: Por.onde.o.homem.anda

R$ 25,00
Caminhar/Inventariar #01 – Convite aos muros

Ricardo Luis Silva e João Pedro Moura (org.)

Assumindo a postura de Francesco Careri, caminhamos estabelecendo uma prática estética com o território (entre Santo André e Paranapiacaba), com a paisagem, com o corpo, com as percepções, com os registros da passagem de coisas, de pessoas, de fronteiras, de momentos, de memórias. Passagem do tempo, no tempo. E com esses registros, estabelecemos uma catalogação da experiência vivida, um inventário. Um inventário inesgotável, assim como queria o escritor francês Georges Perec. Um catálogo heterogêneo de muros.

Dimensões: 145 x 205mm
Páginas: 24
Edição:
Ano: 2019
Tiragem: 100
Idioma: português
Tipo de encadernação: Canoa com costura manual
Local de produção: São Paulo, Brasil
Editora: Por.onde.o.homem.anda

R$ 25,00
Caminhar/Inventariar #02 – Lo común, modos de fazer

Ricardo Luis Silva (org.)

Experiência de convite a registrar em caderno de anotações o cotidiano de um pedaço da cidade. Caderno de campo produzido durante workshop ministrado na XII Bienal de Arquitectura de Chile em 2019, poucos dias antes da explosão das manifestações contra o governo federal chileno, que deixou o país em estado de sítio por alguns meses.

Dimensões: 150 x 210mm
Páginas: 20
Edição:
Ano: 2019
Tiragem: 20
Idioma: espanhol
Tipo de encadernação: Canoa com costura manual
Local de produção: Santiago do Chile – CH
Editora: Por.onde.o.homem.anda

R$ 25,00
Coleção das coisas vol. 2

Ricardo Luis Silva

Kit com os 3 livros do volume 2 da Coleção das coisas: Das coisas que estão em esquinas, Das coisas que fazem o cotidiano e Das coisas que se repetem.

Dimensões: 150 x 150mm
Páginas: 3×82
Edição:
Ano: 2019
Tiragem: 30
Idioma: português
Tipo de encadernação: Luva com os 3 livros
Local de produção: São Paulo, Brasil
Editora: Por.onde.o.homem.anda

R$ 180,00
Das coisas que estão em esquinas

Ricardo Luis Silva – texto de apresentação: Vânia Medeiros

Dentre as coisas que fazem o cotidiano, há uma esquina. E essa esquina me provoca, me convoca, me convida. Estar numa esquina é estar em lugar privilegiado. Mesmo que seja uma esquina qualquer, ordinária, não cantada. Por isso, um destaque ordinário, vulgar, como ela, qualquer. Estar numa esquina é completamente transitório, efêmero, momentâneo, fugaz. A esquina é esse lugar vivido da Cidade que não é nem aqui nem ali. É um lugar ambíguo, ambivalente. A esquina é uma dobra do espaço, uma linha que vem, que dobra, que continua.

Dimensões: 150 x 150mm
Páginas: 82
ISBN: 978-85-540987-5-9
Edição:
Ano: 2019
Tiragem: 200
Idioma: português
Tipo de encadernação: Brochura com costura aparente
Local de produção: São Paulo, Brasil
Editora: Por.onde.o.homem.anda

R$ 50,00
Das coisas que são vermelhas

Ricardo Luis Silva – texto de apresentação: Renato Hofer

Um dia o escritor francês Georges Perec me falou: Faça listas. Catalogue o ordinário que está a sua volta. Dê razão existencial ao cotidiano que constitui nossas vidas. Anote o que não se percebe, o que não têm sentido perceber. Colecione. Por isso coleciono coisas e faço listas. Aqui uma lista das coisas que são vermelhas. Por quê? Porque vermelho sempre me remeteu às coisas contraditórias, porém essenciais para as constituições humanas. O vermelho é necessário… mesmo que contraditório.

Dimensões: 150 x 150mm
Páginas: 82
ISBN: 978-85-540987-2-8
Edição:
Ano: 2018
Tiragem: 200
Idioma: português
Tipo de encadernação: Brochura com costura aparente e capa em serigrafia
Local de produção: São Paulo, Brasil
Editora: Por.onde.o.homem.anda

R$ 50,00
Das coisas que são vistas em isolamento

Ricardo Luis Silva – texto de apresentação: Maria Isabel Villac

Descolado da Cidade, um corpo em isolamento, olhando pela janela da sala avisto a cidade e, nela, não mais os outros, mas suas janelas. Troca-se o olhar no olho do outro pelo olhar na janela do outro. Aparece aí, novamente, em suspensão, uma possibilidade. Uma possibilidade de retomar os afetos constituintes típicos do espaço da Cidade. Me debruço sobre essa nova possibilidade e me reconheço no outro pela janela, dele e minha. Janela ou espelho? Uma perspectiva do mundo que está ali fora? Ou um reflexo de mim mesmo?

Dimensões: 150 x 200mm
Páginas: 84
ISBN: 978-65-00-05218-3
Edição:
Ano: 2020
Tiragem: 200
Idioma: português
Tipo de encadernação: Lâminas avulsas protegidas por cinta e luva
Local de produção: São Paulo, Brasil
Editora: Por.onde.o.homem.anda

R$ 40,00
Das coisas que se repetem

Ricardo Luis Silva – texto de apresentação: Luis Antônio Jorge

É na repetição que estabelecemos a possibilidade do cotidiano. É na repetição que o cotidiano acontece, mesmo que nada aconteça… É na ação que refazemos dia após dia que reconhecemos que entramos em uma rotina. É na repetição que estabelecemos nossa temporalidade. O sol nasce e se põe, para depois voltar a nascer e a se pôr novamente. Repetimos algo que gostamos. Se o sorvete é bom, porque não repetir? Repetimos para aprender, basta ver a repetição prazerosa das brincadeiras infantis. A repetição é um ritual.

Dimensões: 150 x 150mm
Páginas: 82
ISBN: 978-85-540987-3-5
Edição:
Ano: 2019
Tiragem: 200
Idioma: português
Tipo de encadernação: Brochura com costura aparente
Local de produção: São Paulo, Brasil
Editora: Por.onde.o.homem.anda

R$ 50,00
Das coisas que fazem o cotidiano

Ricardo Luis Silva – texto de apresentação: Marcello Quintanilha

Olhar para o Cotidiano, enaltecer as coisas que o constituem. Coisas que constituem meu cotidiano, mas também o seu, o do outro, o da Cidade. O cotidiano que nos constitui. O cotidiano que construímos, vivemos e, mesmo assim, insistimos em negar, ignorar, não desejar. É no cotidiano que encontramos possibilidades reais de alteridade, onde a socialização e encontro com o Outro acontece, ou deveria acontecer, agenciados pelo conflito e estranhamento e não pelo apaziguamento e cordialidade. O cotidiano é potente. Ele existe, resiste.

Dimensões: 150 x 150mm
Páginas: 82
ISBN: 978-85-540987-4-2
Edição:
Ano: 2019
Tiragem: 200
Idioma: português
Tipo de encadernação: Brochura com costura aparente
Local de produção: São Paulo, Brasil
Editora: Por.onde.o.homem.anda

R$ 50,00

PROJETO FOMENTADO COM RECURSOS DA LEI ALDIR BLANC
EDITAL PROAC EXPRESSO LAB Nº 40/2020 POR MEIO DA SECRETARIA DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA DE SÃO PAULO

Back To Top